Início 9 Pontos de vista

Pontos de vista

Quem vai pagar a conta (de energia e dados) da IA?

O crescimento dos investimentos e lucros em Inteligência Artificial é fato consumado. Em 2024, este mercado está avaliado em mais de US$ 50 bilhões, ante praticamente zero em 2022. Até 2027, a receita com a venda desse tipo de produto pode atingir US$400 bilhões, segundo a pesquisa global “TMT Predictions 2024”, elaborada pela Deloitt. Quem ganha e está na corrida já sabemos. As big techs disputam os lançamentos das funcionalidades em uma concorrência acirrada e, muitas vezes, predatória para a Maioria Global. É o que vimos na última semana, quando a Meta foi interpelada pela...

ler mais

Aprendendo a colocar o design a serviço da informação

Escrever para mim é um processo longo e contínuo. Parto de mil pensamentos que me rodeiam dias, semanas, meses e até mesmo anos, conforme sou diária e incessantemente exposta a conteúdos que vou absorvendo e deglutindo, lembrando e esquecendo, em partes maiores e menores, até que consiga parar e dar os primeiro passos rumo à organização das ideias. Hoje completo dois anos de atuação no *desinformante e aproveito a data para organizar e tratar aqui de ideias e pitacos que estão presentes cotidianamente no meu trabalho neste projeto, o qual cabotinamente defendo como incrível!  Fazer...

ler mais

O que os brasileiros querem ver na regulação de IA?

A inteligência artificial (IA) está no centro das atenções do debate nacional e internacional. A recente aprovação do Regulamento Europeu de Inteligência Artificial (EU AI Act) aqueceu ainda mais as discussões sobre a necessidade de fixação de regras para a IA. No Brasil não foi diferente, com esta pauta movimentando o cenário geopolítico na atual presidência do país no G20, do governo federal e sua Estratégia e Plano brasileiros de IA e, mais ainda,  em ambas as casas do Congresso Nacional.  Desde 2021, o Legislativo brasileiro vem propondo projetos de lei para regular o...

ler mais

Como gerir as diversas Inteligências Artificiais?

Apesar de ser tratada no singular, a Inteligência Artificial é muito mais complexa e plural do que aparenta ser. Ela é, ao mesmo tempo, campo científico e tecnologia aplicada, fomentando tanto discussões filosóficas sobre o significado da inteligência como técnicas. Na sua parte prática, a IA também se desenrola em diversas funções (reconhecimento facial, algoritmos de recomendação, IA generativa, etc.) com usos e impactos diferentes. E quando falamos de governança de IA, isso não é diferente. Parte das muitas discussões e preocupações sobre a gestão dessa tecnologia ganhou destaque no AI...

ler mais

IA para fazer arte ou lavar a louça?

Como uma boa viciada em documentários, corri para ver o mais novo da Globoplay sobre o voo 447, que saiu do Rio de Janeiro rumo à Paris e desapareceu no oceano Atlântico. A produção do doc é ótima e me emocionei bastante com entrevistas de alguns familiares, mas esse ponto de vista não é sobre isso. Um ponto me chamou a atenção ainda nos primeiros segundos do primeiro episódio e não me fez sossegar até escrever esse texto.  É que a primeira tela que aparece quando você aperta o play do filme é essa daqui: Isso mesmo. A dublagem dos entrevistados estrangeiros foi feita com inteligência...

ler mais

Brasil na contramão: PL de IA permite uso de armas autônomas

Este artigo contou com a colaboração de André Lucas Fernandes e Tarcizio Silva O texto preliminar substitutivo (TPS) ao Projeto de Lei 2338/23, que busca regular a inteligência artificial (IA) no Brasil, trouxe uma série de retrocessos que pegaram os especialistas de surpresa. Uma das mais críticas inovações negativas é a permissão, no art. 13, do uso de Sistemas de Armas Autônomas (SAA) em determinados contextos no território nacional, uma vez que o TPS excepciona sua aplicação para a defesa nacional. Esta disposição, apesar de inicialmente trazer a vedação destes sistemas, limita esta...

ler mais

STF reconhece assédio judicial ao jornalismo, ainda que com 60 anos de atraso

Há 24 anos, o repórter fotográfico Alex Silveira cobria, normalmente, uma manifestação de professores na capital paulista, quando um tiro de borracha atingiu seu olho esquerdo, cegando-o quase que imediatamente. A foto de Caio Guatelli, mostrando Alex com a mão no olho, ensanguentada, é de uma potência avassaladora.  Em novembro de 2023, neste mesmo espaço, falamos sobre o assédio judicial contra jornalistas e como esse fenômeno cresce exponencialmente na nação dos Tupis. O artigo titulado “Papel, caneta e assédio judicial” arrazoa a mudança de instrumento daqueles que desejam censurar...

ler mais

Cenários possíveis para as deepfakes nas eleições brasileiras

Não há como evitar ou repudiar o uso das tecnologias nas eleições. Não se luta contra o inevitável! As campanhas buscam se adaptar aos novos arranjos, mirando oportunidades, ao passo que a Justiça Eleitoral objetiva abalizar disputas justas, transparentes e legítimas, sem abusos. Nesse sentido, quais serão os paradigmas para lidar com as criações de conteúdos eleitorais com suporte da Inteligência Artificial e, em particular, com as deepfakes perante o cenário eleitoral brasileiro? Será que teremos meios efetivos para cumprimento das novas regras por parte das plataformas? E por fim, como...

ler mais

Recomendações para lidar com a desinformação na mídia social em momentos de crise

Fiquei pensando em como eu podia ajudar um pouco a mitigar a crise da desinformação que vivemos, com as enchentes no RS (e eu também estou por aqui) levando em conta tudo o que o MIDIARS estudou e aprendeu com desinformação nos últimos anos. A primeira coisa importante talvez seja compreender que desinformação floresce principalmente, onde há vácuo informativo. Em uma crise, como a das enchentes, onde é preciso tomar decisões rápidas, há medo e urgência em acessar informação. No entanto, a comunicação institucional/governamental não está acostumada com essa urgência,...

ler mais

Facebook promete proteger o debate público, mas esta realidade está muito distante 

Quando se trata de desinformação, as ações do Facebook não correspondem à sua retórica sobre proteger a democracia e o debate público. Um estudo recente revela o quão inadequados têm sido os esforços da plataforma para combater o flagelo das “fake news” quando esse tipo de conteúdo é mais frequente: eleições e crises sanitárias. Durante as eleições brasileiras de 2018 e 2020 e a pandemia de COVID-19, nós examinamos o uso de etiquetas de alerta, checagens e outras iniciativas destinadas a conter a desinformação em torno de grande atenção pelo Facebook. A pesquisa e suas conclusões estão...

ler mais

Quando comentar no meu feed, imagine que está no quintal da minha casa

Ok, vamos partir do princípio de que discurso de ódio não exista e que falar o que se pensa nas plataformas digitais é, na prática, "liberdade de expressão" e vamos ainda, olhar criticamente para pesquisadores e instituições voltadas para a pauta de combate à desinformação e questionar se o que fazem é promover um discurso que legaliza a censura, qualificando indiscriminadamente quase tudo como "desinformação". Será mesmo que isso faz sentido? Bom, para começar a tratar desse tema, proponho que façamos o seguinte exercício: vamos imaginar que cada perfil de rede social é uma segunda casa que...

ler mais

Para entender os riscos apresentados pela IA, siga o dinheiro

Tim O'Reilly, UCL; Ilan Strauss, UCL; Mariana Mazzucato, UCL e Rufus Rock, UCL Este artigo foi republicado do The Conversation sob licença Creative Common. Leia o artigo original aqui. Repetidas vezes, os principais cientistas, tecnólogos e filósofos fizeram suposições espetacularmente terríveis sobre a direção da inovação. Até mesmo Einstein não estava imune, afirmando que “não há a menor indicação de que a energia nuclear possa ser obtida”, apenas dez anos antes de Enrico Fermi concluir a construção do primeiro reator de fissão em Chicago. Pouco tempo depois, o consenso mudou para o medo...

ler mais

O que os adolescentes têm a dizer sobre a sua relação com as redes sociais?

Adolescentes do mundo inteiro vivem “onlife”, termo recentemente cunhado para a inexistência de uma vida fora do universo online. Mesmo aqueles que não possuem acesso à rede mundial de computadores têm o seu cotidiano influenciado por ela, no que se refere à economia, educação ou aquilo que desejam ser quando crescerem. E aqui no Brasil eles não são poucos. A pesquisa TIC Kids Online Brasil, do Comitê Gestor da Internet no Brasil, evidenciou, em seu último levantamento, que 95% das crianças e adolescentes de 9 a 17 anos de todo o país têm acesso a internet – o que corresponde a mais de 25,1...

ler mais

A influência das fake news nas eleições municipais de 2024: um desafio histórico

Este artigo foi republicado do site The Conversation sob licença Creative Commons. Acesse o link original aqui. As eleições municipais deste ano se destacam como o período eleitoral mais desafiador da história do Brasil em relação às fake news. Esse desafio é impulsionado por dois fatores. Por um lado, os avanços tecnológicos na comunicação e informação estão criando um ambiente cada vez mais complexo. Um exemplo claro desse impacto é a presença crescente da Inteligência Artificial nas campanhas eleitorais, algo que já foi evidenciado nas últimas eleições presidenciais na Argentina. Além...

ler mais

Ditadura não é mentira nem coisa do passado

No dia 31 de março de 1964, o Brasil vivia um dos eventos mais marcantes e trágicos de sua história recente: o golpe militar que instaurou um regime ditatorial que duraria mais de duas décadas. 60 anos depois, é crucial refletir não apenas sobre o episódio em si, mas também sobre suas consequências e formas de enfrentamento ao legado deixado por esse período sombrio. A desinformação, entendida como a disseminação deliberada de informações falsas ou enganosas, desempenha um papel significativo na maneira como a sociedade compreende e se relaciona com o passado. No contexto do golpe militar de...

ler mais

1 ano da “deepfake do papa”: o que mudou? o que virá?

Onde você estava quando viu pela primeira vez a deepfake do casaco do Papa Francisco? Acreditou de primeira ou achou tudo estranho? As imagens falsas do pontífice vestindo um casaco "puffer" super estiloso, criadas com Inteligência Artificial generativa, estão completando um ano. De lá para cá, a previsão de alguns pesquisadores sobre o assunto se concretizou: as deepfakes estão ganhando cada vez mais o ecossistema informacional, confundindo pessoas e influenciando eleições mundo afora. Tudo isso num processo de aperfeiçoamento estético veloz que melhora as falhas técnicas e torna os...

ler mais

Censura à literatura é indício (e alimento) de onda desinformativa que vai respingar nas eleições  

A ´denúncia´ feita por uma diretora de escola do Rio Grande Sul, no seu perfil do Instagram, sobre cenas de sexo explícito contidas no livro “O Avesso da Pele”, escolhido pelo Programa Nacional do Livro, espalhou como pólvora. Após a diretora pedir censura ao livro, que trata do racismo e é vencedor do Prêmio Jabuti de 2021, medidas restritivas à circulação do mesmo foram tomadas no Paraná, Goiás e Mato Grosso do Sul. Somente o fato de a diretora ter retirado um trecho de uma obra literária (e jogado nas redes), fora do seu contexto, já se configuraria um caso de desinformação. Mas existem...

ler mais

Crianças viram produto nas redes sociais

Que a presença de crianças e adolescentes nas redes é um risco todos já sabem, ou deveriam saber, mas muitas pessoas ainda não compreendem a gravidade disso. Algumas pessoas com mais de 30 anos ainda enxergam as plataformas, como o Instagram, como um álbum de fotos, e nada poderia ser mais ingênuo que isso.  Hoje as redes funcionam como grandes shoppings centers virtuais onde se comercializa de tudo, de brigadeiros artesanais a motocicletas, passando por sabão caseiro a joias e, pasmem , crianças. Sim, com apenas 3 ou 4 cliques qualquer pessoa consegue chegar em um perfil do Instagram...

ler mais

Aborto: a pauta como ferramenta política para desinformar

A cada vez que o aborto entra em cena no noticiário brasileiro, uma fresta se abre para que a extrema direita capture a pauta e espalhe desinformação. Entrei em contato com evidências sobre esse fenômeno desde que comecei a acompanhar mais de perto o tema, como parte da pesquisa para o documentário "Verde-Esperanza: Aborto legal na América Latina", que narra as experiências bem-sucedidas da Argentina e Colômbia na descriminalização o aborto, em 2020 e 2022, respectivamente. Na última semana de fevereiro, as fake news sobre aborto mais uma vez se disseminaram rapidamente após a publicação de...

ler mais

Spywares e a corrosão da democracia pela vigilância

Nas últimas semanas, as investigações da Polícia Federal apontaram que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) teria sido utilizada para monitorar ilegalmente cidadãs e cidadãos brasileiros durante o governo Bolsonaro. Isso acendeu um debate sobre os limites que o Estado pode ter quando diz respeito a coletar informações sobre sua população por meios opacos e sem o devido conhecimento de quem é sujeito a essa análise de informações pessoais. A ferramenta utilizada foi o FirstMile, da empresa israelense Cognyte (ex Verint). Adquirida com dispensa de licitação por R$ 5,7 milhões no final...

ler mais

Celular nas escolas: desafios para o uso equilibrado

A proibição de smartphones em unidades de ensino leva ao debate sobre formas de disciplinar a relação dos estudantes com a tecnologia, sem restringir sua educação midiática e inclusão digital. A discussão em torno de limitar ou proibir o uso de celulares nas escolas vem se fortalecendo no Brasil. Determinações de algumas redes de ensino, como a da cidade do Rio de Janeiro, no começo deste mês de fevereiro, buscam afastar estudantes da educação básica do dispositivo durante as aulas, exceto se houver autorização dos professores para um uso pedagógico, em sala de aula. No mesmo período, o...

ler mais

Como ficar em segurança digital no Carnaval

Chegou aquela semana em que, apesar das mil frentes importantes e pendentes na república brasileira, o espírito do país pede Carnaval para que o ano comece efetivamente. Diante do fato incontestável (contém ironia), a equipe do *desinformante decidiu, por unanimidade, que o Ponto de Vista de hoje deve ser sobre segurança digital no Carnaval e ainda outras dicas boas como, por exemplo, quais os cuidados no envio de nudes. Conteúdo para consumir antes, durante ou depois da festa, sem moderação. O Carnaval acabou sendo uma época favorável para um problema sério: roubo de celulares e invasão de...

ler mais

Liberdade de expressão e desinformação: a cansada narrativa da censura

Um dos maiores desafios do direito na área digital/eleitoral é equacionar o combate à desinformação com a proteção à liberdade de expressão. O tema gera debates acalorados, mas algumas premissas precisam ser postas, especialmente com a aproximação do pleito municipal de 2024, que já traz pré-candidaturas anunciadas. A primeira delas é um clichê que tem sido repetido diversas vezes, mas que ainda é objeto de reclamação por membros da comunidade jurídica. A liberdade de expressão não é um direito ilimitado e, portanto, pode sofrer restrições. A bem da verdade é que nem mesmo o direito à vida é...

ler mais

Impulsionamento de post em eleições: as controvérsias que o TSE precisa enfrentar 

Ao longo de 15 dias, entre 4 e 19 de janeiro, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) abriu as minutas das resoluções eleitorais de 2024 para que pessoas físicas e instituições públicas e privadas apresentassem sugestões relativas aos 10 temas disciplinados, entre eles, propaganda eleitoral, que amplia as regras previstas na resolução 23.610/2019 e na atualização 23.671/2021.  De forma geral, resoluções existem para delimitar matérias de competências dos órgãos, neste caso, a Justiça Eleitoral, que tem incluído, nos últimos anos, na concretização de normas de propaganda eleitoral, formas de...

ler mais

Onde (e como) a pauta digital vai entrar na Cúpula do G20

O Brasil colocou a pauta digital em alta na Cúpula do G20, o encontro dos líderes das maiores economias do mundo e que este ano está marcado para 18 e 19 de novembro no Rio de Janeiro. Mas bem antes das presenças ilustres dos chefes de Estado, que praticamente ratificam e assinam o documento final com diretrizes e recomendações para os desafios globais, tem todo um trabalho de formiguinha de ministros de estado, diplomatas, pesquisadores, professores e especialistas, abaixo do radar, que já começou.  O debate da desinformação foi contemplado no Grupo de Trabalho (GT) de Economia Digital com...

ler mais

Lembrar para não repetir: o papel das big tech na proteção da democracia  

Um ano atrás vivíamos um dos episódios mais tristes da história recente do Brasil. Uma tentativa de golpe de Estado se desenrolava para quem quisesse ver, com direito a transmissões online, que envolviam até pedidos de doações para os golpistas. Aquele episódio é fruto de um processo político, social e econômico muito específico vivenciado pelo Brasil nos últimos anos, o qual não pretendo retomar aqui. Mas o pessoal do Democracia em Xeque fez uma timeline excelente pra nos lembrar do passo a passo que levou até o 8 de janeiro de 2023. Contudo, a tentativa de golpe, da forma como aconteceu,...

ler mais

Instituto Democracia em Xeque quer combater tripé negacionista

Colaboraram também na produção deste texto: Beto Vasques[2], Fabiano Garrido[3], João Guilherme Bastos dos Santos[4], Letícia Capone[5], Marcelo Alves[6], Tatiana Dourado[7] O lançamento do Instituto Democracia em Xeque (DX) marca uma nova e significativa fase de um projeto que teve início em fevereiro de 2021, quando foi concebido como um projeto de pesquisa e incidência institucional. Reunindo pesquisadores de diversas regiões brasileiras, o Democracia em Xeque evoluiu para um Instituto de âmbito nacional, com o objetivo de produzir conhecimento para enfrentar as campanhas de...

ler mais

Mais dendê e menos silício por favor

Tanto já começamos a falar sobre as eleições de 2024 e tanto desconhecemos as realidades municipais. São 5.568 municípios, segundo o IBGE, que irão eleger seus prefeitos e vereadores no próximo ano em contextos diversos, ainda que a polarização informativa e política da disputa pelo Executivo em 2022 tenha seus discípulos espalhados pelo território, com capacidade e poder para influir no processo eleitoral. Aí entra a importância do ecossistema de informação local. Na última semana, nós do *desinformante e alguns outros membros da Sala de Articulação contra Desinformação, tivemos um encontro...

ler mais

A era dos especialistas amadores e nosso viés de confirmação

Trata-se, efetivamente, de um paradoxo. Numa era em que os consensos sociais têm se tornado artigos cada vez mais raros, surge uma consenso bastante difuso: um dos maiores e mais desafiadores problemas de ordem social, política - e até mesmo sanitária – na atualidade é a chamada desinformação.    No universo científico, tal problema tem se tornado objeto de investigação por muitas e diferentes frentes interdisciplinares que, definitivamente, extrapolam o campo da comunicação e mesmo das Ciências Humanas. Não faltam artigos científicos publicados por pesquisadores da área de saúde,...

ler mais

Papel, caneta e assédio judicial

“Em uma democracia, ninguém deve temer retaliação por apenas expressar uma opinião, uma crença, um pensamento não endossados por quem ocupa posição de autoridade, ou mesmo por expor fato que o desagrade, e o Estado constitucional não admite sejam as ações do Estado orientadas pela lógica do pensamento ideológico. Não se pode admitir que a imprensa seja onerada com ônus excessivos às suas atividades, sob pena de sofrer um efeito inibitório, deletério ao ambiente de livre comunicação, em razão do elevado risco decorrente do exercício da sua atividade. ‘Paixões e medos’, na expressão do Justice...

ler mais

Futuro da tecnologia precisa ser guiado por quem foi historicamente marginalizado

O Instituto da Hora é uma organização em construção no Brasil e que tem como principal compromisso a equidade na tecnologia. Reconhecendo que o campo de IA e cibersegurança tem sido historicamente dominado por vozes predominantemente brancas, o Instituto trabalha incansavelmente para trazer à tona as perspectivas e soluções oferecidas por profissionais negros e indígenas na área tecnológica. A desconstrução das narrativas e soluções consagradas é necessário para abrir  para um debate mais inclusivo e representativo no desenvolvimento e tomada de decisão.  A motivação para este...

ler mais

Onda de calor é (mais uma) prova das mudanças climáticas, mas ainda tem gente que não acredita

Tá calor aí? Se você está lendo este texto de alguma cidade brasileira, é muitíssimo provável que sim. Por aqui, em São Paulo, ainda não é nem meio-dia e o aplicativo do clima, no celular, mostra que faz 35 graus – com máxima de 37. Tá difícil aguentar essa “quentura” toda, né? Nas redes, tem gente que já se pergunta: estamos vivendo o fim do ano ou fim dos tempos? A onda de calor que invade a paulicéia e outras cidades de diferentes regiões do país, em plena primavera, fez o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) ampliar para 14 estados o alerta vermelho, emitido quando um fenômeno...

ler mais

Fabricar e disseminar falsos nudes: como interromper antes de virar tendência

A denúncia de que estudantes de uma escola particular do Rio de Janeiro fabricaram nudes falsos de colegas da sala ocorreu um mês depois de episódio parecido em Almendralejo, pequena cidade da Espanha, onde 28 meninas foram afetadas. Nos dois casos, as autoridades locais estão ouvindo as vítimas, investigando os responsáveis e, provavelmente, batendo cabeça sobre como punir adolescentes por um crime cibernético. As escolas deverão adotar punições que parecem resolver o problema, mas são paliativas. E os aplicativos que produzem nudes falsos? E os aplicativos de mensagens por onde circulam as...

ler mais

Reflexões sobre a dificuldade de categorizar desinformação

Em setembro eu apresentei um artigo no Intercom (Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação) sobre desinformação e quis também compartilhar as reflexões que fiz lá por aqui, mas prometo tentar não falar academiquês. O que propus nesse artigo foi entender qual o tipo de desinformação mais circulou no segundo turno das eleições do ano passado a partir da divisão feita pela pesquisadora Claire Wardle. Ela entende o fenômeno como um ecossistema de desordem informativa e divide esses conteúdos em informação falsa, desinformação e má informação, tentando relacionar não só a veracidade do...

ler mais

E quando as agências de checagem divergem sobre a veracidade de um mesmo conteúdo?

“O Brasil foi um dos países que mais vacinou no mundo”, disse o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), referindo-se ao trabalho do seu governo no combate à pandemia da Covid-19, no primeiro debate do 2º turno das eleições presidenciais de 2022. O debate foi realizado em 16 de outubro de 2022 pelo portal UOL, pelo jornal Folha de S. Paulo e pelas emissoras Band e TV Cultura. À época, três das principais agências de checagem de fatos em atividade no país, Aos Fatos, Estadão Verifica e UOL Confere, verificaram a declaração do então presidente. Contudo, um leitor que consultasse mais de um destes...

ler mais

Um olho no peixe, outro no gato: eleições de 2024 com problemas de 2022

O ano de 2023 está sendo marcado por uma série de discussões e ações relacionadas às eleições de 2022. Revelações e processos que envolvem o ex-presidente Jair Bolsonaro e seus aliados próximos, CPMI dos atos golpistas de 8 de janeiro, pautados justamente na contestação das eleições do ano passado, sem falar na retomada de uma série de estruturas institucionais que estavam em frangalhos. É fato que tomar providências sobre os recentes intentos anti-democráticos é absolutamente essencial. Estamos, no entanto, numa típica situação em que é preciso avançar em frentes simultâneas: ao mesmo tempo...

ler mais

Fake news: com a palavra, as crianças! 

Fake news entraram de forma tão definitiva na realidade brasileira, nos últimos anos, que nem crianças ficaram imunes ao vocábulo.  Nesta Semana da Criança, resolvemos ouvir pequenos e pequenas conhecidos e conhecidas nossas e amadas, entre 5 e 12 anos, sobre suas impressões sobre fake news. Sem uma pretensão pedagógica ou investigativa, mas com atenção e curiosidade sobre os relatos, percebendo o que compreendem sobre o universo das informações falsas e os problemas por elas causados.  Elencamos quatro perguntas de base e as respostas foram surpreendentes, conscientes e...

ler mais

Inteligência Artificial e desinformação: o que está em jogo?

O hype do metaverso ainda dava seus últimos suspiros e a imprensa observava com atenção as estratégias polêmicas de Elon Musk como novo dono do Twitter quando, no final de novembro de 2022, uma empresa de tecnologia, até então pouco conhecida lançava um novo serviço de chatbot inteligente: o ChatGPT. Em apenas cinco dias, a novidade já somava um milhão de usuários, ganhando atenção, primeiro da mídia especializada, até chegar ao grande público. Começava, assim, a explosão das Inteligências Artificiais generativas. De lá para cá, não se passou nem um ano, mas muita coisa aconteceu. Outras...

ler mais

NPC: a face visível da economia da atenção ou da humilhação? 

“Hmmm, milho, que delícia” e “obrigado pela rosa” foram, provavelmente, as frases - com muitas variações - mais ouvidas pelos usuários do TikTok nos últimos dias. E, se você não as ouviu  e não sabe do que eu estou falando, talvez você seja uma pessoa que tem um pouco mais de futuro na humanidade do que eu neste momento. Não quero ser a portadora da má notícia, mas precisamos falar sobre isso.  Há umas duas semanas estourou no Brasil a febre de lives NPC. A sigla em inglês significa “personagem não jogável”, ou seja, aquele personagem secundário dos jogos de videogame que não são...

ler mais

2 anos e uma semana de cabotinagem liberada

Acabamos de comemorar mais um aniversário por aqui e hoje eu vou sergiomorizar o texto, sendo absolutamente parcial para falar sobre esse trabalho que, se você ainda não entendeu a importância dele, você está vivendo errado.  Eu não sou uma estudiosa do fenômeno da desinformação como são meus colegas de bancada (não tem bancada nenhuma, mas jornalistas sempre falam isso e eu sempre quis falar também), mas sou interessada no tema e, principalmente, eu sou da treta, sou do furdunço, sou da importância das palavras, da necessidade do senso crítico, sou do debate, me venha com uma réplica...

ler mais

O debate sobre as big techs em sala de aula

Adoro Tik Tok. Curto Instagram, e, óbvio, Facebook é coisa de avó. Google pra tudo. Jornal? Impresso??? N. Esse é o perfil médio dos alunos que chegam ao terceiro período na PUC-Rio para fazer Economia Política das Mídias, disciplina obrigatória para o curso de Jornalismo e eletiva para Estudos de Mídia, curso que engloba as ênfases em Publicidade, Cinema e Tecnologia. Com maioria de alunos de Jornalismo, mas também incluindo os de Publicidade e Cinema, minha turma do semestre passado teve como trabalho final a apresentação de textos jornalísticos sobre as grandes plataformas digitais de...

ler mais

Pauta moral é usada para desinformar e polarizar a disputa nos conselhos tutelares

Eleições são um tema que mobiliza a mídia e a sociedade, gerando debates, embates, polarizações. Desde a redemocratização, as eleições, sobretudo no âmbito federal, viram foco das atenções e pautam até mesmo as relações interpessoais. Bem... Nem todas as eleições. Você se lembra em quem votou nas últimas eleições para os conselhos tutelares? Provavelmente você sequer votou. Nem nas últimas, nem em nenhuma outra. Provavelmente, você nunca foi a um conselho tutelar ou sabe onde fica a unidade mais próxima de você. Temos eleições agendadas para outubro, nas quais serão eleitos conselheiros...

ler mais

Em busca da credibilidade perdida: pirataria do jornalismo e desinformação

O meio jornalístico ficou intrigado, na semana passada, com a circulação de uma versão não oficial do Meia Hora, jornal muito popular no Rio de Janeiro. Com logomarca e identidade visual idênticas ao do veículo, que é um produto da Editora O Dia, a falsa capa tinha uma foto estilizada do Presidente com a frase “A culpa é do Lula” em letras garrafais. À primeira vista, parecia uma matéria crítica ao Presidente, mesmo com a legenda lateral, que trazia a ironia: “Nada de mamadeira de piroca, nem cartilha gay, nem auxílio-prostituta (...) Pô, Presidente, qual é?”. Em texto no site do jornal O...

ler mais

A esperança no clique e a lucrativa indústria da ciência falsa

Assim que começamos a sentir um desconforto ou sintoma, recorremos aos buscadores – Google  e Bing, sobretudo - para tirar dúvidas sobre saúde, pesquisar sobre sintomas e até mesmo procurar opções de cura e tratamento. Isso sem falar nas mensagens que enviamos para amigos e conhecidos via WhatsApp e Telegram para saber se eles já passaram por isso e tem alguma dica de como sanar o problema sem que precisemos ir ao médico. A relação entre buscas e consumo de informação sobre saúde nas mídias digitais já vinha mudando, mas com a pandemia da Covid-19, o isolamento social e maior tempo de...

ler mais

Tecnologia na educação: iniciativas regulatórias brasileiras e recomendações da Unesco

Estou vivendo aquele momento: filho de 9 anos, sem o seu próprio celular (a duras penas) mas absolutamente fissurado naquele jogo de futebol de uma certa associação internacional que comprou até a voz dos locutores mais populares para seduzir as crianças que não desgrudam o olho da tela.  Estabeleço tempo pra que ele não fique fora da tendência e tenha assunto com os colegas da sala.  A gente poderia discutir aqui a arquitetura das redes e das plataformas de jogos construídas para que o usuário  passe o maior tempo da vida ali, sem sair pra fazer xixi. E o quanto isso deveria ser ilegal,...

ler mais

Entenda porque as plataformas já são responsáveis pelo conteúdo que moderam

Só agora é que assoma, muito lento, o difícil clarão reminiscente, ao termo talvez de longuíssima viagem, vindo ferir-lhe a consciência. Só não chegam até nós, de outro modo, as estrelas. João Guimarães Rosa. Nenhum, nenhuma. A epígrafe acima utiliza uma figura de linguagem chamada “litote”. Trata-se, normalmente, de afirmar algo pela negação do contrário; mas, como ensinou Guimarães Rosa, ela também pode ser usada para afirmar que alguma coisa é diferente de tudo que existe, singular, específica. Nesse sentido, eis a tese que defenderei aqui: só não podem ser isentas de responsabilidade,...

ler mais

Desinformação: o caminho da transparência e da prestação de contas

Há cerca de cinco anos, diferentes setores da sociedade brasileira se debruçam sobre propostas legislativas para combater o fenômeno da desinformação. O debate vem amadurecendo no país e, gostemos ou não, o projeto de lei 2630/2020 continua sendo o centro dessas discussões. Agora, o Congresso dá indícios de que sua tramitação deve ocorrer no segundo semestre de 2023.  Quando o tema é combate à desinformação, é comum que a primeira preocupação da população, de plataformas e de políticos envolva riscos à liberdade de expressão. Ora, se é preciso definir o que é verdade ou mentira, quais...

ler mais

Como a desinformação de plataforma transformou notícias falsas em fenômeno global

Em 1924, uma carta falsa publicada pelo jornal sensacionalista Daily Mirror levou à derrocada do primeiro governo Trabalhista britânico, a quatro dias das eleições. A carta, supostamente escrita por um comunista de destaque, revelaria um plano envolvendo bolcheviques soviéticos e socialistas britânicos. “Grande conspiração revelada”, dizia o jornal em sua manchete. O caso é, até hoje, um dos grandes escândalos políticos do Reino Unido. E foi todo construído em cima de uma notícia falsa, com uma manchete sensacionalista que não deixa em nada a dever às redes de desinformação dos anos...

ler mais

Plataformas x usuários: uma relação cada vez mais amarga

No dia 12 de junho, de uma hora pra outra, milhares de páginas do Reddit, rede social que reúne grupos de fóruns sobre assuntos variados, sumiram das listas de recomendação de buscas do Google. Em paralelo, o próprio site da plataforma apresentou instabilidades para quem tentava acessá-lo, chegando a ficar indisponível por um momento. No centro do apagão, uma greve organizada pelos próprios moderadores das comunidades, que tornaram privados os respectivos fóruns, contra os planos da plataforma, anunciados em abril, de acabar com a gratuidade da sua API para projetos e produtos de terceiros....

ler mais

A Kombi elétrica antecipa os riscos para as próximas eleições

A propaganda da Volkswagen que comemorou os 70 anos da montadora e o lançamento da nova Kombi elétrica foi marcada por polêmicas. O debate recaiu na criação por inteligência artificial (IA) da cantora Elis Regina, morta há 41 anos, aparecendo lado a lado com a sua filha Maria Rita. Inicialmente, a repercussão se deu pelo lado emocional da peça publicitária e pela criação digital de algo que nunca foi possível, mãe e filha cantando juntas. Em seguida, a discussão se ampliou para a contradição do uso da música “Como nossos pais”, que era um símbolo de combate à ditadura militar, num comercial...

ler mais

Os desafios de fechar o cerco a campanhas desinformativas

Ao lado das tradicionais técnicas de fact checking, os estudos da desinformação têm avançado com o uso de abordagens computacionais, criação de algoritmos como o GOTCHA Bot Detection -  ferramenta desenvolvida pelo Netlab em parceria com a Twist (empresa de Data Science) que utiliza inteligência artificial para identificar a presença de “social bots” nas redes sociais -,   além de entendimento do ecossistema multiplataforma em que dados não checados viralizam e se propagam na forma de cadeias de contágio.  Ao invés de se centrarem em um único canal, as campanhas de desinformação têm adotado...

ler mais

Termos de uso: Joan não leu, eu não li, você leu?

A mais recente temporada de Black Mirror definitivamente não é a melhor. Mas esse não é um texto com uma análise crítica sobre como a série que sempre fez boas reflexões sobre o uso da tecnologia se afastou da sua essência na 6ª temporada e apostou até em lobisomens para (tentar) agradar o público.  O primeiro episódio, apesar do título, não é (tão) péssimo. Na verdade, assim que comecei a assistir ‘Joan is awful’ lembrei de alguns dos pontos que já tratamos aqui no *desinformante sobre os termos de uso das plataformas digitais. Isso porque - em linhas gerais e sem muito spoiler -, no...

ler mais

Junho de 2013 inaugurou a desinformação de plataforma no Brasil

Junho de 2013 não foi a primeira mobilização política em rede no Brasil, mas foi marcante por duas razões. Uma delas é que Junho inaugurou táticas informacionais em rede e em tempo real que se refletem até hoje na política institucional e na comunicação corporativa. O movimento de Junho mostrou ao sistema as potencialidades das plataformas como ferramentas de construção de reputação política e institucional, com novas dinâmicas de comunicação em espaços híbridos – simultaneamente online e offline – que dariam o tom da política dali em diante.  A outra novidade foi a ideia de lideranças...

ler mais

Corpolítica: O corpo LGBTQIAP+ nasce político

Mês do Orgulho LGBTQIA+ e eu, como gosto de me definir - mulher negra e o B da sigla - fico mais atenta aos discursos que vamos vendo tomar corpo por aí. Assisti há alguns dias ao ótimo documentário Corpolítica, de Pedro Henrique França e Marco Pigossi, e que estreou este mês em todo o país. O filme acompanhou a trajetória e os desafios de algumas pessoas LGBTQIAP+ que se candidataram à vereança em São Paulo e no Rio de Janeiro em 2020. Um período marcado por duas tragédias no Brasil: uma pandemia e um governo de extrema-direita, declaradamente LGBTfóbico, como se não bastassem as...

ler mais

Grito de alerta neste 5 de junho: violência contra povos indígenas e desinformação socioambiental

Em meio aos desafios que o Brasil enfrenta no âmbito da política ambiental, é crucial refletir sobre a violência contra os povos indígenas, quilombolas, populações do campo e defensores e a disseminação de desinformação socioambiental. Durante a catastrófica gestão Bolsonaro, presenciamos retrocessos significativos nessa agenda e o novo governo Lula se depara com obstáculos no Congresso, onde a influência do Instituto Pensar Agro promove uma propaganda em larga escala em favor de interesses ruralistas. Contudo, além desses desafios políticos, devemos analisar o impacto das plataformas...

ler mais

Algoritmos podem ser aliados no combate a desinformação?

As pessoas têm acessado cada vez mais mídias sociais para se informarem e tanto essas plataformas como os algoritmos embutidos nelas estão contribuindo para o aumento da desinformação. O algoritmo responsável pela distribuição de conteúdo, por exemplo, pune o engajamento de postagens que contém links externos que fazem as pessoas saírem de sua plataforma. O objetivo delas é manter as pessoas na plataforma a maior quantidade de tempo possível. O algoritmo também favorece publicações que despertam emoção intensa nas pessoas que interagem com esses tipos de publicações. Inclusive, é nesse...

ler mais

Para ler ouvindo: “A vida é desafio”, do Racionais, e “Boa esperança”, do Emicida 

Não há constrangimento no racista em ser racista. Não há constrangimento algum. Foi o esse o pensamento que tive todas as vezes em que repetidamente assisti às cenas do jogador Vinicius Jr. sendo xingado, indo à torcida identificar os criminosos que imitavam macacos, sofrendo um golpe de mata-leão por parte de outro jogador e, por fim, saindo do campo expulso, como algoz. De vítima a culpado em questão de minutos. Como é possível não haver constrangimento? Como é possível alguém se achar no direito de peitar a vítima, como um racista fez enquanto discutiu com o jogador da arquibancada, e...

ler mais

O “dever de cuidado” seria um descuido indevido

Em 6 de abril, O Desinformante anunciou, em um breve fio no Twitter, a oferta de contexto e didatismo para explicar o “dever de cuidado” no âmbito do debate público sobre regulação das plataformas digitais. De uma resposta sobre inconsistência e teoria da responsabilidade civil, emergiu esta oportunidade para explicar a impropriedade desse termo, do ponto de vista do direito brasileiro. A importação dessa ideia desnecessária evidencia o descuido indevido com as criativas e pioneiras conquistas de direitos já alcançadas no Brasil. Mobilizados, portanto, pelo desafio de levar a sério a missão...

ler mais

O que podemos fazer para coibir o uso da inteligência artificial com fins maliciosos?

Com os avanços da inteligência artificial (IA) e o surgimento de ferramentas de geração de conteúdo original a partir de dados existentes (também conhecidas como IA generativa), como o ChatGPT, DALL-E e Midjourney, a tecnologia parece nos oferecer novas formas para resolver problemas complexos e melhorar nossas vidas. Assim como qualquer outra ferramenta tecnológica, também pode ser usada de maneira maliciosa e para fins nefastos, como a disseminação de notícias falsas e enganosas.  Há uma corrida tecnológica entre as gigantes de tecnologia, impulsionada pela busca de novos clientes,...

ler mais

Espionagem marroquina com app israelense expõe usos do digital nos conflitos internacionais

A última região africana pendente de descolonização. Uma área maior do que o Reino Unido, ainda na lista de “Territórios Não Autônomos” da Organização das Nações Unidas (ONU). Um espaço cortado pelo maior muro militarizado do planeta, segunda maior muralha (atrás apenas da Grande Muralha da China), com uma extensão total de 2.700km. O Saara Ocidental, no norte da África, é testemunha de uma longa trajetória de luta pela independência – que já passou por momentos de conflito armado, lobby diplomático e que agora parece ter entrado numa fase que inclui também a espionagem eletrônica. A...

ler mais

Por que o STF deve decidir pela constitucionalidade do artigo 19 do Marco Civil

O artigo 19 do Marco Civil da Internet (MCI) tem sido objeto de intensos debates nos últimos tempos, principalmente por conta da proximidade do julgamento de sua constitucionalidade, no STF. Esse artigo estabelece que as plataformas digitais não são responsáveis pelo conteúdo gerado pelos usuários, exceto quando descumprem ordem judicial específica. Isso significa que, em caso de conteúdo ilegal, como casos de difamação, injúria ou calúnia, a vítima deve buscar a Justiça para que seja retirado da plataforma. É portanto, um dispositivo que dá garantia jurídica às plataformas digitais ao mesmo...

ler mais

Por que é tão irresistível expor seu preconceito nas redes sociais?

“O jovem tem todos os defeitos de um adulto e mais um:o da inexperiência. Jovens, envelheçam!”  Nelson Rodrigues A polêmica envolvendo as estudantes do curso de biomedicina, da Unisagrado, em Bauru, na semana passada, já deu muito o que falar sobre preconceito etário, falta de empatia e, até mesmo, um mal estar generalizado sobre a degradação da juventude, tamanha alienação da chamada “geração tiktok”, no contexto de uma sociedade utilitarista, que refuta o envelhecimento da mulher a qualquer custo.  Para quem, porventura, não teve tempo de ficar sabendo o que houve, o resumo da...

ler mais

Faz sentido separar os mundos on e offline?

Nos anos 2000, era comum encontrar em casas brasileiras de classe média o hack de computador. Feito geralmente de madeira compensada, o móvel continha diversos nichos para receber as partes de uma máquina de mesa, além de gavetas para guardar CD-Roms, disquetes e cabos inutilizados. Para muitos, todo aquele aparato representava o espaço doméstico em que se "entrava" no mundo digital. De lá pra cá, o computador diminuiu de tamanho e os eletrônicos viraram "inteligentes". Até uma lâmpada pode ser conectada à Internet. Passamos a estar online também nas ruas e o lugar onde o "real" acontecia...

ler mais

Qualquer modelo de regulação digital deve se comprometer com os direitos humanos

A regulação das plataformas digitais e os diferentes formatos possíveis são matéria de debate interno em muitos países do mundo, em um movimento que tem gerado engajamento também da comunidade internacional. Na última semana (entre os dias 21 e 23 de fevereiro), a Organização das Nações Unidas para Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) realizou a primeira conferência global sobre o assunto - intitulada “Por uma Internet Confiável” (Internet for Trust, no original em inglês). Como resposta a um chamado do Secretário Geral das Nações Unidas (ONU), António Guterres, que identificou a...

ler mais

A tal da Lei Rouanet: o que é e o que não é

Não é segredo que nos últimos anos, a cultura, as artes, os artistas e trabalhadores da cultura vêm sofrendo ataques por parte de políticos da extrema-direita e seus apoiadores e sendo alvos da desinformação propagada por eles, principalmente no que diz respeito à, agora tão famosa, Lei Rouanet. A frase que mais se lê em comentários nas redes sociais quando surge o assunto é: “não vai mais mamar nas tetas do governo”. Mas, afinal, o que é a Lei Rouanet? Antes de falar o que é e para que serve a lei, é necessário dizer o que ela não é.  A Lei Rouanet não é um "lugar" onde artistas batem...

ler mais

Extremistas.br: a escalada que levou ao 8 de janeiro

Os atos golpistas do dia 8 de janeiro podem ter pegado algumas pessoas de surpresa, mas nem todas. Não precisava se aprofundar muito nos processos de radicalização da extrema direita para entender o que acontecia. Bastava passar por algum quartel do Exército ou passear em grupos abertos do Telegram para saber que ‘algo de errado não estava certo’.  No entanto, compreender essas estratégias de radicalização - e como a desinformação auxiliou nesse processo - poderia requisitar um certo nível de especialização. Para os pesquisadores da área, as invasões às sedes dos poderes eram...

ler mais

Do nazismo ao bolsonarismo: a mentira como combustível golpista

Há anos me intriga a observação do historiador e professor da Universidade de Yale Timothy Snyder sobre a semelhança entre as mentiras nazistas e a campanha de desinformação de Donald Trump que levou à invasão do Capitólio no dia 6 de janeiro de 2021, principalmente aquela que Snyder e outros estudiosos chamam de “A Grande Mentira”. Se há uma grande mentira que coloca em movimento os mecanismos que levaram ao Holocausto e outra que preenche a capital dos Estados Unidos com pessoas dispostas a paralisar o processo de confirmação de um presidente eleito, há uma grande mentira por trás da...

ler mais

A foto errada, no lugar errado e no momento errado

Publicada na capa da Folha de S.Paulo no dia 19 de janeiro, uma fotografia causou forte discussão nas redes sociais e entre profissionais de jornalismo. Na legenda, somos informados de que se trata de “foto feita com múltipla exposição mostra Lula ajeitando a gravata e vidro avariado em ataque”. No retrato, nos chega a imagem de Lula com um trinco de perfuração na vidraça na altura de seu peito. Parece detalhe, mas não é: múltipla exposição é uma técnica fotográfica que permite sobrepor uma ou mais imagens a partir dos níveis de exposição da máquina fotográfica e não de programas de edição,...

ler mais

Provas digitais: o que pode ser usado para identificar e punir os envolvidos nos atos golpistas?

O dia 08 de janeiro de 2023 entrou para a história brasileira como um lamentável registro de atos terroristas e golpistas, daqueles que não aceitaram o resultado legal e legítimo das urnas e tentaram abolir o estado democrático de direito, na intenção de aplicar um golpe de estado. As cenas de horror e vandalismo puderam ser vistas na sede dos Três Poderes. Os terroristas invadiram e depredaram o patrimônio público, histórico dos brasileiros e da humanidade. Tanto o Congresso Nacional, quanto o Palácio do Planalto e o edifício-sede do Supremo Tribunal Federal não foram apenas fisicamente...

ler mais

O cenário do combate à desinformação em 2023: alguns pontos centrais para o debate

É difícil acreditar que chegou a hora de fazer um balanço de 2022 e de pensar no que está por vir. O ano foi tão intenso no campo do combate à desinformação que, por vezes, parecia ser composto por uma sequência infinita de dias.  Vale lembrar alguns momentos chave para entender 2022. No primeiro semestre, o TSE convocou as plataformas digitais para dialogar e assinar memorandos de entendimento. O início do segundo semestre foi marcado por um começo de campanha eleitoral onde predominou uma percepção de que a desinformação estava sob controle, sem grandes impactos. Essa percepção durou pouco...

ler mais

Como a cibernética nos ajuda a regular as plataformas e suas redes sociais

Apresentei uma conferência no Seminário Arendt Tech, organizado pelo Núcleo de Estudos da Violência (NEV-USP), cujo tema era “Desinformação e a indústria da autenticidade”. Compartilhei mesa com o pesquisador Thiago Dias que apresentou o trabalho “Política, espaço público e tecnologia”. Estudioso e especialista que é na obra de Hannah Arendt, ele trouxe dois problemas extremamente interessantes: os algoritmos estariam sequestrando o campo da política e as telas estariam ocupando o que antes chamávamos de espaço público. Mas, se os algoritmos são apenas um conjunto de regras ou instruções de...

ler mais

A Copa do sportswashing: uma mão na taça e outra na consciência

Confesso que fiquei com um pouco de medo de ser cancelada por estar curtindo tanto a Copa e demorei para saber se estava ‘ok’ ativar o modo ‘rumo ao hexa’. Esse receio nem foi sobre o uso ou não da amarelinha, sequestrada nos últimos anos. Aliás, é importante deixar claro que esse texto não é sobre isso e nem sobre a cultura do cancelamento - que merece sim um PV (mesmo sob o risco do cancelamento). É sobre torcer apesar do Catar, apesar da sede da Copa do Mundo, apesar do sportswashing.  O Grupo de Pesquisa objETHOS, o Observatório da Ética Jornalística, levantou 7 perguntas sobre a...

ler mais

As Cinzas e os Fatos: a captura do poder pelo uso da desinformação

Mesmo com todos os livros lançados desde a eleição que levou Donald Trump à Casa Branca que abordam a questão da desinformação, até 2021 eu ainda sentia que perguntas que eu tinha sobre o assunto - desde que meus alunos do ensino médio começaram a gritar em coro palavras de ordem da campanha presidencial norte-americana de 2016 - seguiam sem explicação. Eu sentia falta de um livro que explicasse como o ambiente comunicacional poderia ter contribuído para as votações expressivas não só em Trump, mas também em Jair Bolsonaro dois anos depois. Se meus alunos gritavam “Lock her up!” ou “Build...

ler mais

De onde vêm nossas ideias? Da reflexão detida ou dos memes do WhatsApp?

A cena é recorrente nos mais variados contextos. O alerta da notificação chega naquilo que um dia foi apenas um telefone celular. Nossa atenção se desloca automaticamente. Quem ou o que nos chama? O estímulo envolve traços decisivos de nossa condição e natureza: curiosidade, comunicação, informação. Tais conteúdos nos impactam e mudam nossas rotinas de pensamento, nossas emoções e reflexão. Bombardeados por conteúdos de várias frentes e temas, verossímeis ou não, nossos humores mudam, ficamos impactados e reativos com imagens e textos que nos chegam. Ao saber o conteúdo, seja o que for,...

ler mais

A luta negra, indígena e quilombola no centro da agenda de mudanças climáticas

Acontece agora em novembro a 27ª edição da Conferência das Nações Unidas sobre mudanças climáticas (COP27). Lideranças globais, chefes de Estado, ativistas, militantes, empresas e seus lobistas, todos se encontram na cidade de Sharm El-Sheik no Egito para debater o futuro das próximas gerações. Para o movimento negro e quilombola essa COP é um marco histórico. Pela primeira vez tivemos um número recorde de participantes de integrantes do movimento negro e quilombola no encontro. Essa amplitude de participação é fundamental para romper com uma grande ausência nos debates sobre mudanças...

ler mais

A realidade paralela do Metaverso Brasil

Passada as eleições presidenciais, o Brasil vê-se diante de um cenário ainda menos previsível. Do lado das instituições, temos desde uma equipe de transição que deixa transparecer certa normalidade democrática até as Forças Armadas emitindo notas de caráter duvidoso: apoio às “manifestações populares” e clamando às autoridades da República a “imediata atenção a todas as demandas legais e legítimas da população” (leia-se: questionar o pleito eleitoral). Pois bem, quem define quais demandas são “legítimas”? E quem exatamente constitui “o povo”, de onde, segue a nota, emana o exercício do...

ler mais

A prisão de Jefferson e o papel do Judiciário na contenção da escalada autoritária

A recente prisão do ex-deputado federal Roberto Jefferson acendeu o alerta para a importância da atuação do Judiciário na contenção da decadência democrática. Atualmente, tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF) e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) inquéritos que investigam a disseminação de desinformação - fake news, atos antidemocráticos e a atuação de milícias digitais, cujas manifestações atentam contra os princípios fundamentais da República Federativa do Brasil: o pluralismo político, a independência e harmonia entre os Poderes da União, a democracia participativa e a prevalência...

ler mais

O fantástico realismo das notícias profundamente falsas

Há uma semana no ar, Travessia, a nova novela das 21h da Rede Globo, transferiu os espectadores do Pantanal para o Maranhão num piscar de olhos. Ao mesmo tempo, saímos de um modelo narrativo galgado no realismo fantástico onde mulheres viram onça e um senhor que já morreu se transforma em sucuri, para o fantástico realismo das deep fakes e do metaverso, que a obra já promete construir. E no metaverso absolutamente tudo pode ser o que não é. Logo no primeiro capítulo, o perigo da manipulação de imagens ao alcance de todos é colocado a serviço de uma brincadeira irresponsável de adolescentes,...

ler mais

Como falar dessa eleição para as crianças sem lhes roubar a esperança

Estamos na Semana das Crianças e hoje, Doze de Outubro, no dia delas, eu e meu raio problematizador não estaremos nadando numa piscina de bolinhas coloridas. Há muito tempo eu milito, extraoficialmente, pela infância (alô marcas, mandem trabalhinhos). Uma parte das vulnerabilidades deste grupo social foi posta em meu colo a partir do momento em que me tornei mãe. E, vejam bem, não precisa ter filho para perceber e se incomodar com a forma como a infância é tratada, mas quando se tem ou quando se convive com certa intimidade com crianças, torna-se quase impossível que esse assunto não te...

ler mais

Tentativas de gerar pânico moral marcaram reta final do primeiro turno

O balanço da campanha presidencial de 2022 indica que os dois últimos dias antes do primeiro turno foram marcados pela circulação intensa de notícias falsas e esforços de criar pânico moral, especialmente em torno de pautas que tocam em questões religiosas. Da exploração do candidato padre à implantação de banheiro misto nas escolas, passando por uma suposta interceptação de Marcola e pela exploração do vídeo de um ‘satanista’, houve uma onda anti-Lula, aparentemente, significativa nas redes. Essa onda, cuja dimensão real não é possível medir, pode ajudar a explicar a diferença de votos...

ler mais

Um discurso (de ódio) e muitas vozes desde o coronelismo eletrônico

Um mundo e muitas vozes!!!!  Há quase 40 anos,  a UNESCO chamava atenção para os riscos sociais de  cenários globais com a propriedade dos meios de comunicação cada vez mais concentrada. Diversidade de vozes se conquistaria com democratização da comunicação, dizia o “Relatório MacBride”.  Naquele janeiro de 1983, nossos graves problemas midiáticos eram o controle dos jornais, rádios e televisão por políticos e pelas ditaduras militares, assim como ocorria em tantos “países periféricos”. Com o tempo, foram se multiplicando as tecnologias, redes, teias, conexões.  Mas,...

ler mais

A difamação digital como estratégia eleitoral

“Consciência é aquela voz grave e baixinha que ninguém quer ouvir. Esse é o problema do mundo de hoje.” (Pinocchio) Em tempo de intensa transformação tecnológica cresce a possibilidade de produzir, impulsionar e viralizar mensagens de texto e imagens que, independentemente da veracidade, se tornam instrumentos de manipulação da opinião pública. Mais do que isso. Instrumentos de alto poder de convencimento de pessoas das mais variadas camadas sociais que, na ânsia de acreditar no inusitado, transformam e reproduzem o inverossímil em escala geométrica. Os recursos de impulsionamento pelas...

ler mais

Amazônia: desinformação tem preço

No dia 22 de abril, diversos portais de notícia deram destaque ao anúncio de que a Meta, holding controladora das redes sociais Facebook e Instagram, havia derrubado inúmeros perfis e contas que espalhavam desinformação sobre temas ambientais. Controladas por dois militares brasileiros, as contas criticavam, sobretudo, a atuação de ONGs e elogiavam a ação do Exército nas ações de combate ao desmatamento na Amazônia. O episódio evidencia não apenas como certos grupos utilizam os canais sociais para propagar desinformação, mas coloca em questão como hoje o debate público no Brasil está marcado...

ler mais

Preparar a audiência antes de ela ter contato com a desinformação: entenda o prebunking

A desinformação é um problema complexo que envolve dimensões tecnológicas, sociológicas e jurídicas que devem ser consideradas no seu enfrentamento. Algumas ferramentas foram projetadas para ajudar na detecção da desinformação. Usualmente, a checagem ou verificação de fatos (também conhecido como fact-checking ou debunking) costuma ser o método mais conhecido para aliviar os efeitos desses conteúdos falsos ou enganosos. Porém, estudos mostram que há outras formas de fazer isso. A teoria da inoculação - preparar as pessoas com informações confiáveis antes de elas serem expostas à...

ler mais

O poder dos algoritmos sobre o comportamento dos eleitores

A ideia é apenas fazer referência no decorrer das fake News (FN) aos danos algorítmicos no cerne comportamental da informação dentro da dimensão-chave política, muitas vezes já automatizada, que tanto prejudicam o bom andamento da democracia. Nas eleições presidenciais que ocorreram no Brasil, conforme indicam estudos de pesquisa da Avaaz, 98% dos eleitores do presi­dente eleito Jair Bolsonaro foram expostos a uma ou mais mensagens falsas durante a campanha, sendo que 89% acreditaram que os fatos eram verdade, relatam Eduardo Magrani e Paulo Rodrigo de Miranda (2021), na MIT Technology...

ler mais

Qualquer semelhança não é mera coincidência: os camisas neons

A História, em sua dinâmica, é permeada por fenômenos “neovelhos”. Antes de serem uma contradição, são resultados das condições históricas de cada período (sociais, econômicas, culturais e tecnológicas). Em que pese as diferenças, as semelhanças já são assustadoramente grandes para compreender a motivação e a ação de grupos de haters, trolls e milícias digitais em analogia àquelas das milícias políticas fascistas do início do século XX. A disseminação de mentiras, o amedrontamento e a agressão tampouco são ferramentas novas na política. A força de sua presença na esfera pública, entretanto,...

ler mais

Uma ‘checagem de fatos’ exclusiva para o Dia dos Pais

“Amor, li umas coisas muito bacanas sobre a pedagogia Waldorf. Vamos conversar sobre essa possibilidade de escola para Inácio?”. “Meu bem, marquei pediatra de Luizinho para a próxima sexta. Você consegue dar uma escapadinha e ir conosco?”. Feche os olhos e...melhor, abra-os, arregale-os, esbugalhe-os e me conta aqui: foi um pai ou uma mãe que disse essas frases? Se mesmo depois de ter caçado confusão no Ponto de Vista sobre o Dia da Mães continuei seguindo minha vidinha digital protegida pelo manto adamascado de Nossa Senhora do Cancelamento, me atrevi agora a apagar as velas e soltar as...

ler mais

Memes banalizam mudanças climáticas e amplificam negacionismo

A mudança climática está mais presente do que nunca. À medida que as ondas de calor se tornam mais comuns, mais intensas e mais letais, a mudança climática parece ser mais real. O negacionismo climático, porém, limita ações contra essa crise.  Esse negacionismo não é um fenômeno novo, mas com os eventos climáticos extremos passaram a figurar mais comumente nas redes sociais e nas rodas de conversas. Por exemplo, os catastróficos incêndios florestais na Austrália em 2019 e 2020 e as inundações de 2022 foram fontes de discursos conspiracionistas e desinformação, assim como as eleições...

ler mais

A nova/velha tática de reprimir o jornalismo

Não há nada de novo em usar ações judiciais para silenciar e punir profissionais de mídia e empresas de mídia. O que é novo é o armamento de tais ações. A escalada da violência contra jornalistas em países latino-americanos pode ser sem precedentes. Nem mesmo durante regimes ditatoriais vimos tantos ataques e tão coordenados. E o pior: com a aceitação, conivência e até participação do público. Mas talvez o pior nem seja isso; talvez o pior seja que não estamos falando de regimes autoritários (pelo menos não oficialmente) na maioria dos casos. Estamos falando de democracias. A América Latina...

ler mais

Diga-me qual fake news compartilhas e eu te direi quem és

Recentemente, uma fake news sobre refugiados ganhou a atenção de europeus nas redes sociais. A manchete fictícia trazia os dizeres: “Nações Unidas alertam sobre movimento massivo de refugiados da África: 500 milhões de pessoas estão a caminho da Europa”. O suposto screenshot da notícia ganhou notoriedade por também usar a logo do New York Post e circulou no Facebook e no Twitter, até que foi confirmado falso. A repercussão da matéria, no entanto, chama a atenção porque demonstra o poder do desconhecimento e do medo no momento decisório sobre compartilhar ou não um conteúdo falso. Estudos...

ler mais

A internet do futuro precisa brotar daqui (também)

Uma agenda do futuro da internet e das redes sociais precisa ter nossa cor, nossa cultura e nossas demandas. A gente já sabe disso, mas a vinda da engenheira e cientista de dados Frances Haugen ao Brasil, na última semana, teve um simbolismo enorme do fracasso deste modelo branco do Vale do Silício do Norte global que não contempla com respeito e segurança o resto do mundo. Suas denúncias estampadas pelo Wall Street Journal e depois em centenas de jornais mundo afora, nada mais são que a comprovação de um poder que existe porque precisa de cidadãos de segunda classe, como o Sleeping Giants...

ler mais

Na terra dos algoritmos, vemos ilusões ou horrores?

Sabe aquelas coisas surreais que, quando acontecem, você para e olha “o que é isso, um filme?” bem no estilo do meme da boca rosa? Ok, eu sei que  os últimos acontecimentos no Brasil (nos últimos, sei lá, quatro anos) nos obrigam a fazer essa pergunta diariamente, mas às vezes penso que nem o melhor dos roteiristas de distopia poderia criar narrativas tão assustadoras. Até Atwood tem ficado para trás com o show de horror da atualidade. O ponto de vista de hoje não é, no entanto, especificamente sobre as histórias lamentáveis e os sucessivos ataques às mulheres e ao corpo feminino que vimos...

ler mais

Novas eleições e pandemias, velhas fake news: a reciclagem da mentira

Nas últimas décadas, uma revolução mudou drasticamente a maneira como as pessoas se informam, afastando-as da informação selecionada através dos jornais e da televisão em direção ao ambiente das informações compartilhadas por meio das redes sociais. O ambiente digital deu espaço para que informações falsas se espalhassem rapidamente, fazendo com que narrativas da conspiração sobre vacinas, Covid-19 e eleições se popularizem. Isso gerou uma preocupação geral com a exposição a informações consumidas através de redes sociais, já que existe uma exacerbada quantidade de fakes news e teorias da...

ler mais

Não podemos nos calar

Hoje não podemos deixar de falar sobre o aterrador desaparecimento do jornalista Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira no Vale do Javari, na Amazônia brasileira. Apesar de o presidente da República se referir ao caso lembrando que “dezenas de milhares de pessoas desaparecem por ano no Brasil”, esses não são “só” dois desaparecimentos entre milhares, como se a sentença já não fosse, no mínimo, insensível.  É o retrato fiel da degradada realidade em que vivemos. Um país em que os defensores de direitos humanos têm um alvo nas costas. Lembremos de Chico Mendes, Dorothy Mae Stang e...

ler mais

Indústria das fake news é lucrativa e complexa

Atualmente os termos fake news e desinformação estão cada vez mais populares e em pauta nos sites de notícias. Fake news podem ser uma notícia ou um rumor criado com o foco de chamar atenção, para prejudicar a reputação de uma pessoa ou organização. Tendem a se propagar facilmente pois muitas vezes possuem conteúdos sensacionalistas.  Diversas questões sobre as fake news chamam a atenção da comunidade científica: Quais são suas origens? Elas ocorrem de forma espontânea? São criadas com algum propósito? Tentando responder algumas dessas questões, estudos mostraram que sua disseminação está...

ler mais

Sorria, você faz parte de um experimento comportamental

Quando as redes sociais surgiram, elas eram um pouco diferentes do que são hoje. Conectavam as pessoas, mas ofereciam as informações de acordo com alguns critérios meio óbvios: o que seus amigos ou pessoas conectadas publicaram, ordem cronológica etc. Para quem vinha do Orkut (saudades?), a ideia de uma timeline sem fim já era assustadora o suficiente para chocar. Pouco mais de uma década depois, parecem exercício de escolinha de criança. Aos poucos, fomos ingressando em um experimento comportamental de longo prazo do qual todos nós somos parte. Quanto mais dados elas coletam sobre você,...

ler mais

A omissão das plataformas na desinformação escondida nos comentários

As plataformas de redes sociais criam recursos para engajar e fidelizar seus usuários. Um desses recursos são os comentários, presentes em quase todas as plataformas. Nesses espaços, os usuários compartilham seus pensamentos, objeções, felicitações ao conteúdo a que foram expostos, assim como podem reagir a comentários anteriores. O problema é que os comentários acabaram se tornando também ambientes propícios para o compartilhamento de desinformação, informação incorreta, rumores ou teorias da conspiração. Este cenário tende a gerar dúvidas nas pessoas que engajam com esse conteúdo, podendo...

ler mais

Avanços e desafios nos 10 anos da Lei de Acesso à Informação

Práticas jornalísticas como a checagem de fatos e o jornalismo de dados foram conquistando cada vez mais espaço no ecossistema midiático na última década, com destaque a partir de 2020, quando a pandemia de Covid-19 exigiu ainda mais produção jornalística com base em dados confiáveis para diferenciar conteúdos enganosos de informação qualificada. A disponibilidade pública e a qualidade de dados governamentais são elementos cruciais para o processo de apuração jornalística, particularmente em reportagens sobre assuntos para os quais o papel do Estado é central — como o combate à pandemia e...

ler mais

Bots ‘do bem’, bots ‘do mal’ e a importância da regulação

Com a popularização da inteligência artificial (IA), os robôs que eram apenas ficção nos cinemas ou em desenhos animados, como os Jetsons, se tornaram realidade. Diferente do que era retratado no imaginário da maioria das pessoas, os robôs presentes nas redes sociais não são humanoides. Mas afinal, o que são eles? Eles são bons ou ruins?  Popularizados através  da palavra bot, que é um recorte da palavra robot (robô, em inglês), eles não são seres pensantes capazes de fazer tarefas do dia a dia, como limpar a casa sem ordens dos chefes como a robô Rosie dos Jetsons (ainda que  robôs...

ler mais

A esperada treta do Dia das Mães

Não existe data comemorativa em nosso calendário que me irrite mais que o Dia das Mães. Eu sou mãe, mãe de humano. E olha aí o gancho para uma treta que, Nossa Senhora do Cancelamento me proteja, mas eu vou entrar sim. A maternidade é assunto que vem carregadinho de estereótipos, julgamentos e muita, muita desinformação. Quando eu penso na desinformação no universo da maternidade eu sempre penso que ela pode ser teórica (eu já mencionei em outros textos desta seção Ponto de Vista sobre parto e aleitamento) ou pode ser fruto de uma romantização exarcebada que cerca o tema. Eu gostaria que,...

ler mais