Início 9 destaques 9 Ajuda das redes sociais na distribuição das fake news impacta mais as eleições que uso de IA

Últimas notícias

Pexels

Ajuda das redes sociais na distribuição das fake news impacta mais as eleições que uso de IA

Pexels
COMPARTILHAR:

O mais recente relatório publicado pelo Centro de Negócios e Direitos Humanos da Universidade de Nova York apontou que a principal ameaça às eleições internacionais de 2024 não são as Inteligências Artificiais generativas, mas a já conhecida distribuição de conteúdos falsos, odiosos e violentos pelas plataformas de redes sociais.

Embora reconheça os riscos trazidos pelas deepfakes e de outros conteúdos sintéticos nos contextos eleitorais, o centro de pesquisa afirmou que o problema principal continua na forma como as plataformas auxiliam na distribuição de conteúdo desinformativo já que, nos últimos anos, elas interromperam políticas de integridade eleitoral e demitiram equipes de segurança.

“Apesar das perturbações e da violência que agitaram as eleições presidenciais dos EUA em 2020 e as eleições do Brasil em 2022, as principais empresas de plataforma recuaram em alguns dos seus compromissos anteriores de promover a integridade eleitoral”, afirmou o relatório.

O X (antigo Twitter) ganhou destaque no relatório porque, após a aquisição pelo bilionário Elon Musk, foi a empresa que mais demitiu funcionários da equipe interna de segurança – responsável pela promoção da integridade eleitoral internacional. “O resultado prático foi o ressurgimento do racismo, do anti-semitismo e de outras formas de ódio. Sem ir tão longe quanto Musk, outras empresas usaram a deterioração do X para diminuir a vigilância”, avaliou o documento.

A incapacidade das plataformas de conterem desinformação e discurso de ódio já é sentida nas primeiras eleições do megaciclo eleitoral deste ano. Na primeira metade de janeiro, a Coalizão Global de Justiça Tecnológica (Global Coalition for Tech Justice, em inglês) afirmou que Google, Meta e TikTok não conseguiram impedir a distribuição em massa de conteúdos desinformativos durante as eleições presidenciais de Taiwan

A Índia, a um pouco mais de dois meses das suas eleições gerais, também passa por um problema parecido. No país, campanhas desinformativas governamentais utilizam aplicativos como WhatsApp para inundar o eleitorado com notícias falsas e discursos violentos contra populações politicamente minoritárias. Uma carta pedindo neutralidade na moderação chegou a ser enviada aos executivos norte-americanos pelo bloco opositor ao governo do primeiro-ministro Narendra Modi, mas não houve resposta.

Recomendações para as plataformas

O estudo do centro de pesquisa nova-iorquino trouxe cinco recomendações para que as plataformas reforcem seus compromissos de integridade da informação durante as eleições de 2024, como o investimento em moderação de conteúdo humano e o desenvolvimento de planos em momentos de crises para conter episódios golpistas como o de 8 de janeiro

“Os planos de contingência devem incluir a capacidade de adicionar pessoal – altos executivos, especialistas em políticas e moderadores – e ajustar os algoritmos de recomendação para que dêem prioridade às notícias recolhidas de forma confiável em vez das teorias da conspiração”, sugeriu o relatório.

Além disso, o centro alertou sobre a possível escalada do discurso de fraude nas eleições norte-americanas à medida que a campanha do republicano Donald Trump toma fôlego. Para os pesquisadores, as plataformas devem rotular as alegações como infundadas ou removê-las completamente e direcionar os usuários para informações oficiais e apartidárias sobre o histórico eleitoral do país.

“A Meta deveria reverter a sua decisão imprudente de permitir anúncios políticos que questionem a legitimidade das eleições de 2020, e o YouTube precisa desfazer a sua política de permitir vídeos que propagam alegações de fraudes eleitorais passadas”, acrescentou o documento.

As sugestões também se relacionam com as recomendações feitas recentemente pelo Instituto Internacional para Democracia e Assistência Eleitoral (IDEA Internacional).

Nesta semana, a Meta divulgou que vai restringir o acesso a conteúdos políticos nas suas plataformas. O Instagram e o Threads serão as primeiras redes em que os usuários poderão optar por receber ou não postagens com teor político nas seções Explorar, Reels, Recomendações no Feed e Usuários Sugeridos.

Confira as recomendações do relatório às empresas de tecnologia:

  1. Adicionar mais humanos à moderação de conteúdo;
  2. Financiar mais checadores de informações independentes;
  3. Mitigar deslegitimação eleitoral e desenvolver plano de crise;
  4. Proporcionar ajustes no design de plataformas e nas políticas para períodos eleitorais;
  5. Mitigar riscos vindos das IAs generativas.

O relatório “Riscos digitais às eleições em 2024: protegendo a democracia na era da desinformação” pode ser lido em inglês neste link.

COMPARTILHAR:
0
Would love your thoughts, please comment.x